arqa—Arquitectura e Arte Contemporâneas — Portuguese Contemporary Architecture and Art Magazine

Opinião

por: Baptista Bastos

Da necessidade da cultura

Há uns anos, durante uma entrevista à revista francesa «Le Point», Jean Nouvel sugeria que, durante um ano, nas escolas secundárias, fosse ministrado o ensino de História da Arquitectura. O grande arquitecto, sempre polémico e provocador, desenvolvia o argumento de que, mesmo sucinto, o ensino dessa disciplina poderia animar os alunos para o conhecimento de outras matérias, entre as quais a do... civismo. Não era absurda, a tese; no fundo, continuava o princípio do desenvolvimento cultural dos gregos, que entendiam (e bem!) que o saber não tem limites.
Conhecer, mesmo, concisamente, a história de uma arte tão importante como é a arquitectura poderá ajudar-nos a compreender o próprio progresso e aperfeiçoamento humanos, e perceber as alterações sociais e políticas das sociedades.
O ensino, o conhecimento, a cultura e a percepção do que sucede em nosso derredor faz parte das sociedades que se desejam incrementadas. Os tiranos detestam e perseguem a robustez cultural dos povos. Os exemplos são gritantes. E nós, em Portugal, fomos sujeitos e objecto de repressões políticas quase insanas, e que se não limitam ao longo consulado salazarista. Não esqueçamos a Inquisição, que se manteve, durante três séculos, no nosso País e que, até hoje, deixou lastro nas mentalidades.
A Primeira República apostou na instrução como prioridade das prioridades. É uma tarefa gigantesca, cuja importância tem sido esquecida deliberadamente ou minimizada. Foi durante os escassos dezasseis anos republicanos que a interdisciplinaridade e o cruzamento das sabedorias até então adquiridas foi promovido. Os Centros Republicanos, com as suas escolas primárias anexas, acentuaram esse projecto com professores e professoras excepcionais, nascidas do entusiasmo e da mobilização colectiva de 1910. A ascensão e a consolidação, pela força, da ditadura, foi um travão desse nobre conceito desenvolvimentista.

 (…)

Jan 2011

Outros artigos em Opinião

Imagem - JOÃO ÁLVARO ROCHA O RIGOR CIENTÍFICO DA OBRA SOCIAL AO EDIFÍCIO TECNOLÓGICO

JOÃO ÁLVARO ROCHA O RIGOR CIENTÍFICO DA OBRA SOCIAL AO EDIFÍCIO TECNOLÓGICO

Por: VICTOR MESTRE ARQUITETO (ESBAL, 1981). MESTRE EM REABILITAÇÃO DO PATRIMÓNIO ARQUITETÓNICO E PAISAGÍSTICO, SOB ORIENTAÇÃO DO ARQTº. FERNANDO TÁVORA (UNIVERSIDADE DE ÉVORA, 1997). DIPLOMA DE ESTUDOS AVANÇADOS EM TEORIA… 

Dez 2019

Imagem - JOÃO ÁLVARO ROCHA

JOÃO ÁLVARO ROCHA

O projeto de arquitetura tem premissas próprias e únicas, no qual, há que dar respostas a um programa e a um lugar. Tendo em conta que o conceito é algo… 

Dez 2019

Arquivo de Opinião