arqa—Arquitectura e Arte Contemporâneas — Portuguese Contemporary Architecture and Art Magazine

Design

por: Carla Carbone

JOÃO BRUNO VIDEIRA: O PRAZER DE FAZER

Sem artes o “nosso descanso seria vazio e desinteressante, e o nosso trabalho apenas um fardo, mero desgaste do corpo e da mente”, disse-nos um dia William Morris, na sua primeira conferência, realizada em 1877, na “Trades Guild of Learning”, em Londres. As suas reflexões e preocupações, no discurso que proferiu,
refletiram preocupações que, lidas à luz dos nossos dias, se apresentam de uma atualidade sem precedentes, revelando que, sobre as condições do industrialismo, ainda há muito para fazer, alterar, amadurecer e mudar. William Morris, como sabemos, não era uma personalidade que se
apresentasse muito entusiasmada com o advento da máquina e com o modo como a mesma iria moldar as nossas tarefas e retirar o mais lúdico e criativo das nossas vidas. Ao longo do seu discurso Morris relembra, várias vezes, o crítico de arte John Ruskin (que fora seu mestre) e dá ênfase às suas palavras no que diz respeito à ideia, por ambos defendida, da importância de “proporcionar prazer ao nosso trabalho”. Morris referia-se às artes decorativas, ao ornamento, mas também ao “prazer de fazer”. (...)

 (…)

Mar 2019

Outros artigos em Design

Imagem - Rever Joana Vasconcelos em 2005, entrevista arqa

Rever Joana Vasconcelos em 2005, entrevista arqa

clique para ler a entrevista na íntegra Joana Vasconcelos entrevistada por Sandra Vieira Jürgens, para a arqa, em 2005  … 

Abr 2019

Imagem - ANDREA BRANZI “NÓS SOMOS PRIMITIVOS. ANALOGICAMENTE PRIMITIVOS”

ANDREA BRANZI “NÓS SOMOS PRIMITIVOS. ANALOGICAMENTE PRIMITIVOS”

Em 1985 Andrea Branzi escrevia aquela que seria a melhor lição de design, senão das melhores alguma vez escrita. Uma espécie de texto, ou cartilha, que serve para tudo e… 

Dez 2018

Arquivo de Design