arqa—Arquitectura e Arte Contemporâneas — Portuguese Contemporary Architecture and Art Magazine

Opinião

por: PAULO FERREIRA COSTA (Atualmente Diretor do Museu Nacional de Etnologia / Museu de Arte Popular)

SALVAGUARDA DO PATRIMÓNIO CULTURAL IMATERIAL EM CONTEXTO MUSEOLÓGICO

Volvida precisamente uma década sobre a conclusão da ratificação da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (UNESCO) e, concomitantemente, da implementação das medidas centrais, de caráter legislativo e operacional, para a proteção legal do PCI em Portugal, são diversos os indicadores sobre o papel decisivo que os museus podem desempenhar no nosso País neste recente campo de atuação patrimonial.

Em primeiro lugar, no que respeita aos processos de salvaguarda que se revestem de maior notoriedade pública, isto é as candidaturas às Listas instituídas pela Convenção, convém recordar que a primeira e, não apenas por esta razão, mais famosa candidatura até ao momento, a do Fado, deve o seu retumbante sucesso ao Museu do Fado e ao papel que lhe foi consagrado neste processo. Totalmente renovado em 2008, no âmbito da preparação da candidatura por parte da Câmara Municipal de Lisboa, o Museu afirmou-se como um agente fundamental no processo, quer pelas suas responsabilidades na implementação do plano de salvaguarda da candidatura, quer, acima de tudo, por, na perspetiva da sua visibilidade pública, constituir uma das principais evidências materiais dessa mesma salvaguarda. (…)

Finalmente, o terceiro plano de intervenção em matéria de salvaguarda de PCI é também o central e o mais evidente na missão de qualquer museu: a própria recolha, salvaguarda e divulgação dos testemunhos materiais de uma determinada comunidade, eles próprios indissociáveis das «práticas, representações, expressões, conhecimentos e aptidões» que lhes estiveram na origem e cuja compreensão e documentação lhes conferem sentido pleno. Trata-se de uma evidência que nos remete, afinal, para uma outra: a da necessidade de uma abordagem holística e integrada à compreensão das práticas culturais de uma comunidade, não excessivamente compartimentada entre expressões materiais e imateriais.

 (…)

Dez 2018

Outros artigos em Opinião

Imagem - JOÃO ÁLVARO ROCHA O RIGOR CIENTÍFICO DA OBRA SOCIAL AO EDIFÍCIO TECNOLÓGICO

JOÃO ÁLVARO ROCHA O RIGOR CIENTÍFICO DA OBRA SOCIAL AO EDIFÍCIO TECNOLÓGICO

Por: VICTOR MESTRE ARQUITETO (ESBAL, 1981). MESTRE EM REABILITAÇÃO DO PATRIMÓNIO ARQUITETÓNICO E PAISAGÍSTICO, SOB ORIENTAÇÃO DO ARQTº. FERNANDO TÁVORA (UNIVERSIDADE DE ÉVORA, 1997). DIPLOMA DE ESTUDOS AVANÇADOS EM TEORIA… 

Dez 2019

Imagem - JOÃO ÁLVARO ROCHA

JOÃO ÁLVARO ROCHA

O projeto de arquitetura tem premissas próprias e únicas, no qual, há que dar respostas a um programa e a um lugar. Tendo em conta que o conceito é algo… 

Dez 2019

Arquivo de Opinião