arqa—Arquitectura e Arte Contemporâneas — Portuguese Contemporary Architecture and Art Magazine

Opinião

por: FÁTIMA FARIA ROQUE (Técnica Superior – Assessora da Direção, na Direção-Geral do Património Cultural)

CONFERÊNCIA “PATRIMÓNIO CULTURAL – DESAFIOS XXI” MEMÓRIA E MODERNIDADE – LEGADO E RESPONSABILIDADE

Ponto alto das atividades promovidas pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) no âmbito do Ano Europeu do Património Cultural (AEPC), a Conferência “Património Cultural Desafios XXI” reuniu, nos dias 25 e 26 de outubro último, na Fundação Calouste Gulbenkian, um significativo número de especialistas nacionais e internacionais, cujos contributos em muito vieram enriquecer uma preocupação transversal a vários domínios da sociedade contemporânea: que desafios coloca hoje o Património Cultural, sobretudo equacionado sob os novos paradigmas da sustentabilidade e do desenvolvimento económico, mas aos quais não poderão ser alheios temas como a inclusão, a globalização, os novos públicos (sejam eles turistas ou refugiados), a inovação tecnológica e, até mesmo, o ambiente e território?

(…) E porque de questionamento falamos quando falamos de cultura, salientem-se ainda os desafios deixados por Paulo Pereira, Professor da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa, que lançou à reflexão temas tão urgentes como o de uma certa “distopia” que carateriza a sociedade atual e que pode ter reflexos ao nível do “refundar a arte da memória”. Para Paulo Pereira, falar de Património e dos seus desafios é também falar de atitude cívica e, nessa medida, interroga-se: “de que modo poderá o Património ajudar os milhares de refugiados, ou as atrocidades com que os noticiários nos confrontam no dia-a-dia?”

Responsabilidade. Cuidado. Demora. Exigência.

Palavras que criaram, certamente, o Património comum a esta Conferência. Os desafios foram equacionados, analisados e debatidos. Os projetos foram apresentados. As ideias, avaliadas. O Ano Europeu do Património Cultural assinalado quando se aproxima o seu final. Mas não o seu encerramento. É, pelo menos, essa a “deixa” que marca a organização de um evento como este.

 

 (…)

Dez 2018

Outros artigos em Opinião

Imagem - ALGUNS PENSAMENTOS A PROPÓSITO DA ARQUEOLOGIA EM PORTUGAL, 2018

ALGUNS PENSAMENTOS A PROPÓSITO DA ARQUEOLOGIA EM PORTUGAL, 2018

Estamos a celebrar o Ano Europeu do Património Cultural e a DGPC solicita-me um breve artigo de opinião no âmbito da Arqueologia em Portugal, integrado numa reflexão sobre contributos para… 

Dez 2018

SALVAGUARDA DO PATRIMÓNIO CULTURAL IMATERIAL EM CONTEXTO MUSEOLÓGICO

Volvida precisamente uma década sobre a conclusão da ratificação da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (UNESCO) e, concomitantemente, da implementação das medidas centrais, de caráter legislativo e… 

Dez 2018

Arquivo de Opinião