arqa—Arquitectura e Arte Contemporâneas — Portuguese Contemporary Architecture and Art Magazine

Editorial

por: Luís Manuel Pereira

TERRITÓRIO, ESPAÇO, FORMA E LUZ: EXPERIÊNCIAS SENSORIAIS SEM LIMITE, COMO ACONTECIMENTO ARQUITETÓNICO | TERRITORY, SPACE, FORM AND LIGHT: SENSORY EXPERIENCES WITHOUT LIMITS, AS AN ARCHITECTURAL EVENT

João Luís Carrilho da Graça é sem dúvida alguma na atualidade, uma das grandes referências no panorama cultural e profissional da arquitetura portuguesa e internacional. A sua atividade, desenvolvida a partir de meados dos anos setenta, desenvolve-se a partir de uma coerência e
equilíbrio, definindo um percurso. Multipremiado e anti dogmas - veja-se o afastamento positivo do pós-modernismo - ele assume-se com um posicionamento diferenciado no panorama da arquitetura portuguesa contemporânea.
Nascido em Portalegre, as suas primeiras obras foram realizadas, como não podia deixar de ser, no alto Alentejo, onde se destacam, o conjunto de Casas de Alter do Chão em 1976, o Centro Regional da Segurança Social de Portalegre em 1982 e as Piscinas Municipais de Campo Maior, projeto de 1985. Nestas primeiras obras de relevo, em que já se vislumbra um posicionamento crítico e um processo produtivo carregado de novos significados, a paisagem alentejana está sempre presente, através da exploração das geometrias elementares nas formas que propõe. Estas formas dão origem a volumes que materializados desenham percursos, pátios e vazios sempre indissociáveis do sítio e do
programa. Perceciona-se na sua forma de projetar uma objetiva relação com o território e o seu caráter transformador, processo que sempre estará presente no seu trabalho. (…)Joao Maria Trindade, ex colaborador de João Luis Carrilho da Graça, muniu-se das mesmas ferramentas do
mestre, contudo, a partir das mesmas ferramentas traz-nos novas particularidades, organizando novos desempenhos. Como consequência, tem desenvolvido uma atividade de relevo nacional e internacional, tanto na área projetual, como no ensino. Das suas obras mais recentes, o Museu
Municipal de Arqueologia de Moura e a Remodelação de Quinta, em Achete, propõem a utilização subtil das matérias de projeto, contando-nos a anterior e a nova história. Novo e antigo convivem sem dualidades. Tanto nas obras de João Luís Carrilho da Graça como de João Maria
Trindade, estamos perante um constante processo de reflexão. A vivência dos seus edifícios provoca-nos uma experiência sensorial em que as relações do espaço interior e exterior, além de vividos, são contemplados numa lógica de que os edifícios devem ser simples e consequentemente acolhedores, simultaneamente funcionais e intensos. (…)


João Luís Carrilho da Graça is undoubtedly one of the great references in the cultural and professional panorama of Portuguese and
international architecture. Its activity developed from the mid-seventies develops from a coherence and balance, defining a course.
Multiawarded and anti-dogmas - one can see the positive departure from postmodernism - he assumes a different position in the panorama
of contemporary Portuguese architecture.Born in Portalegre, his first works were realized, as it could not fail to be, in the upper Alentejo
region, where they stand out the set of Houses of Alter do Chão, in 1976, the Regional Center of Social Security of Portalegre, in 1982, and
the Municipalities Pools of Campo Maior, project of 1985. In these early significant works, in which a critical position and a productive
process with new meanings is already glimpsed, the Alentejo landscape is always present, through the exploration of elementary geometries
in the forms it proposes. These forms give rise to materialized volumes that draw paths, courtyards and voids that are always inseparable
from the site and the program. An objective relationship with the territory and its transforming character, a process that will always be present
in its work, is perceived in its form of design. (…)Joao Maria Trindade, former collaborator of Joao Luis Carrilho da Graça, has the same
tools of the master, but from the same tools, brings us new peculiarities, organizing new performances. As a consequence, it has developed
an activity of national and international importance, both in the design area and in teaching. Of his more recent works, the Municipal Museum
of Archeology of Moura and the remodeling of Quinta in Achete, propose the use of subtle project materials, telling us the previous and the
new history. New and old coexist without dualities. Both in the works of Joao Luís Carrilho da Graça and Joao Maria Trindade, we are faced
with a constant process of reflection. The experience of their buildings gives us a sensory experience in which the relations of interior and
exterior space, besides being lived, are contemplated, in a logic in which the buildings must be simple and consequently cosy,
simultaneously functional and intense. (…)

 (…)

Set 2018

Outros artigos em Editorial

Imagem - [GEO]GEOMETRIA | [GEO]GEOMETRY

[GEO]GEOMETRIA | [GEO]GEOMETRY

Espaço, luz, tempo são elementos essenciais que a arquitetura usa e manipula sistematicamente, em conjunto com outros mais específicos e menos abstratos como a função, a materialidade, a textura, a… 

Set 2018

Imagem - HERANÇA COMO TRADIÇÃO E DIMENSÃO DO PENSAMENTO INHERITANCE AS TRADITION AND DIMENSION OF THOUGHT

HERANÇA COMO TRADIÇÃO E DIMENSÃO DO PENSAMENTO INHERITANCE AS TRADITION AND DIMENSION OF THOUGHT

 Ao fazermos uma resenha do processo produtivo da arquitetura portuguesa, temos que nos remeter ao primeiro Congresso dos Arquitetos de 1948. Foi ali a primeira vez que se discutiu a… 

Mai 2018

Arquivo de Editorial