arqa—Arquitectura e Arte Contemporâneas — Portuguese Contemporary Architecture and Art Magazine

Editorial

por: Luís Manuel Pereira | Diretor Executivo | luismanuelpereirarevarqa@gmail.com

HERANÇA COMO TRADIÇÃO E DIMENSÃO DO PENSAMENTO INHERITANCE AS TRADITION AND DIMENSION OF THOUGHT

 

Ao fazermos uma resenha do processo produtivo da arquitetura portuguesa, temos que nos remeter ao primeiro Congresso dos Arquitetos de 1948. Foi ali a primeira vez que se discutiu a prática profissional, com forte intervenção de jovens estudantes de arquitetura - o Congresso foi aberto a estudantes de arquitetura -, uma geração que iria marcar as décadas seguintes. Além do posicionamento político contra as orientações vigentes, tentava-se colmatar a distância que se estava a "cavar" relativamente à produção da arquitetura internacional.
De lá para cá muitas coisas se alteraram. Após o 25 de abril, e com a chegada dos anos oitenta, em que o ensino da arquitetura sai do eixo exclusivo Lisboa-Porto, com a abertura das escolas de arquitetura privadas, cujos currículos sistematizam práticas correntes, contudo com corpos docentes com "sangue na guelra". Com estas, o ensino toma novos caminhos no plano cultural. A dicotomia LisboaxPorto, cada qual com as suas idiossincrasias, perde sentido, apostando-se num universalismo da disciplina, referenciando-a como um bem social. A par disso, a internacionalização da arquitetura portuguesa, está na ordem das coisas. Siza Vieira, exponencia essa internacionalização. A partir daí outros vieram... (...)


Reviewing the productive process of Portuguese architecture, we must refer the first Architect's Congress of 1948. It was the first time that the professional practice was discussed, with a strong intervention of young architecture students - the Congress was open to students of architecture - a generation that would mark the next decades. In addition to the political positioning, against the current guidelines, this generation tried to fill the distance that was growing, when comparing with the production of international architecture.
Many things have changed since then. After the 25th of April, with the arrival of the eighties, in which the teaching of architecture departs from the exclusive axis of Lisbon-Porto, with the opening of the private architecture schools, whose curricula systematize current practices. With these, the teaching takes new paths in the cultural plane. The dichotomy LisboaxPorto, each one with its idiosyncrasies, loses meaning, committing with the universalism of the discipline, referring it as a social asset. In addition, the internationalization of Portuguese architecture is in progress. Siza Vieira exponentiates this internationalization. Since then, others did it ... (...)

 (…)

Mai 2018

Outros artigos em Editorial

Imagem - GERAÇÃO Z + EM TRANSIÇÃO | GENERATION Z + IN TRANSITION

GERAÇÃO Z + EM TRANSIÇÃO | GENERATION Z + IN TRANSITION

(...) CURIOSAMENTE, OS PROJETOS DOS JOVENS ARQUITETOS QUE PUBLICAMOS NESTE NÚMERO, COMPREENSIVELMENTE PROJETOS DE PEQUENA ESCALA, PARECEM INVERTER ALGUNS DOS PRESSUPOSTOS ATRÁS REFERIDOS, PORQUE AO INVÉS DE UMA PREVISÍVEL DEMONSTRAÇÃO… 

Mai 2018

Imagem - PROTO URBANIDADES PRÓ-URBANAS | PROTO PRO-URBAN URBANITIES

PROTO URBANIDADES PRÓ-URBANAS | PROTO PRO-URBAN URBANITIES

A cidade contemporânea é uma cidade de cidades dentro. E, quase sempre, uma cidade que se caracteriza pela quase ausência de regras claras na formação do seu tecido urbano. No… 

Mar 2018

Arquivo de Editorial