arqa—Arquitectura e Arte Contemporâneas — Portuguese Contemporary Architecture and Art Magazine

Projectos

CONCURSO PARA O MUSEU NACIONAL DA RESISTÊNCIA E DA LIBERDADE – FORTALEZA  DE PENICHE | COMPETITION FOR THE NATIONAL MUSEUM OF RESISTENCE AND FREEDOM - PENICHE FORTRESS

A Fortaleza de Peniche é matéria para a definição deste projecto de arquitectura do Museu Nacional da Resistência e Liberdade. É igualmente o mote para repensar o espaço público e o seu lugar na contemporaneidade.

Durante a sua utilização no Estado Novo, a Fortaleza de Peniche testemunhou uma política de aniquilação de espaço público por via salazarista, em que a troca de ideias e a liberdade de expressão, definidoras em si mesmas da própria ideia de espaço público, eram forçadamente restringidas. Repensar este legado e passado — não pretendendo apagá-lo, mas antes evidenciá-lo — foi a base para o projecto de arquitectura e programa museológico.

Como nos referiu José Gil, “o salazarismo foi varrido da história pelo 25 de Abril, mas ficou sempre no limbo, como uma enorme sombra de que, afinal, não nos desfizemos (porque o recalcámos). Uma sombra à espera de melhores dias, para ajustar contas (já que a democracia não ajustou contas com ele).”

Assim, esta proposta para o Museu não procura uma interpretação branqueada e luminosa do 25 de Abril de 1974, nem uma higienização do passado, antes deixando a cada um o olhar e a apreensão do significado do que aconteceu, registando como factos privilegiados os depoimentos directos dos presos políticos, da sua resistência e das suas fugas, que ocorreram ao longo do tempo.

A intervenção arquitectónica baseia-se na manutenção das principais estruturas existentes, identificando a sua adequabilidade e propondo as alterações necessárias à sua adaptação ao programa funcional pretendido para o Museu. Sempre que possível, mantêm-se os elementos que caracterizam os diferentes espaços da fortaleza e da prisão, procurando não só a preservação das construções, mas também do ambiente e da memória inerentes na perspectiva da sua valorização patrimonial.

A identidade do Museu. (…)

The Fortaleza de Peniche (Peniche Fortress) is the subject that defines this architecture project for the National Museum of Resistance and Liberty. Simultaneously, it is the reason to rethink the theme of public space and its place in contemporaneity. During it’s functioning in the dictatorial government era (Estado Novo), the Fortaleza de Peniche witnessed a politic annihilation of the public space through the dictatorship (Salazarism), in which the exchange of ideas and freedom of speech, which are self-defining ideas of “public-space”, were restricted by the use of force. To rethink this legacy and past, not intending to erase it, but emphasizing it, was the base for the architecture project and the museum programme. As José Gil referred to us, “the Salazarism was extinct from history by April 25, but stood forever in the limbo, as a huge shadow with which we didn’t part (because we repressed it). A shadow waiting for better future, for a ‘reckoning’ (since the democracy hasn’t done it).” The architectural intervention bases itself on the maintenance of the main existing structures, identifying their adequacy and proposing the necessary changes in order to adapt to the intended function as a Museum. Whenever possible, the elements that characterize the different spaces of the fortress and the prison were preserved, searching not only the preservation of its constructions, but also their environment and inner memories, in order to keep its patrimonial value.(…)

CONCURSO PARA O MUSEU NACIONAL DA RESISTÊNCIA E DA LIBERDADE – FORTALEZA  DE PENICHE | COMPETITION FOR THE NATIONAL MUSEUM OF RESISTENCE AND FREEDOM - PENICHE FORTRESS

A Fortaleza de Peniche é matéria para a definição deste projeto de arquitetura do Museu Nacional da Resistência e Liberdade. É igualmente o mote para repensar o espaço público e o seu lugar na contemporaneidade.

Durante a sua utilização no Estado Novo, a Fortaleza de Peniche testemunhou uma política de aniquilação de espaço público por via salazarista, em que a troca de ideias e a liberdade de expressão, definidoras em si mesmas da própria ideia de espaço público, eram forçadamente restringidas. Repensar este legado e passado — não pretendendo apagá-lo, mas antes evidenciá-lo — foi a base para o projeto de arquitetura e programa museológico.

Como nos referiu José Gil, “o salazarismo foi varrido da história pelo 25 de Abril, mas ficou sempre no limbo, como uma enorme sombra de que, afinal, não nos desfizemos (porque o recalcámos). Uma sombra à espera de melhores dias, para ajustar contas (já que a democracia não ajustou contas com ele).”

Assim, esta proposta para o Museu não procura uma interpretação branqueada e luminosa do 25 de Abril de 1974, nem uma higienização do passado, antes deixando a cada um o olhar e a apreensão do significado do que aconteceu, registando como factos privilegiados os depoimentos diretos dos presos políticos, da sua resistência e das suas fugas, que ocorreram ao longo do tempo.

A intervenção arquitetónica baseia-se na manutenção das principais estruturas existentes, identificando a sua adequabilidade e propondo as alterações necessárias à sua adaptação ao programa funcional pretendido para o Museu. Sempre que possível, mantêm-se os elementos que caracterizam os diferentes espaços da fortaleza e da prisão, procurando não só a preservação das construções, mas também do ambiente e da memória inerentes na perspetiva da sua valorização patrimonial. (…)

The Fortaleza de Peniche (Peniche Fortress) is the subject that defines this architecture project for the National Museum of Resistance and Liberty. Simultaneously, it is the reason to rethink the theme of public space and its place in contemporaneity. During it’s functioning in the dictatorial government era (Estado Novo), the Fortaleza de Peniche witnessed a politic annihilation of the public space through the dictatorship (Salazarism), in which the exchange of ideas and freedom of speech, which are self-defining ideas of “public-space”, were restricted by the use of force. To rethink this legacy and past, not intending to erase it, but emphasizing it, was the base for the architecture project and the museum programme. As José Gil referred to us, “the Salazarism was extinct from history by April 25, but stood forever in the limbo, as a huge shadow with which we didn’t part (because we repressed it). A shadow waiting for better future, for a ‘reckoning’ (since the democracy hasn’t done it).” The architectural intervention bases itself on the maintenance of the main existing structures, identifying their adequacy and proposing the necessary changes in order to adapt to the intended function as a Museum. Whenever possible, the elements that characterize the different spaces of the fortress and the prison were preserved, searching not only the preservation of its constructions, but also their environment and inner memories, in order to keep its patrimonial value.(…)

 

SÉ PATRIARCAL DE LISBOA, INSTALAÇÃO DO NÚCLEO ARQUEOLÓGICO E RECUPERAÇÃO DOS CLAUSTROS SUPERIORES E INFERIORES | LISBON PATRIARCHAL CHURCH, INSTALLATION OF THE ARCHAEOLOGICAL NUCLEUS AND RECOVERY OF THE UP

Dono da obraOwner Cabido da Sé Patriarcal de Lisboa / DGPC – Ministério da Cultura

Data projetoProject date 2012/2016

Arquitetura e coordenaçãoArquitecture and coordination Adalberto Dias

ColaboraçãoCollaborators Adalberto Silva Dias , André Marques, Arménio Teixeira,            Flávio Carvalho Nuno Rocha, Tereza Vaz

Fundações e estruturaFoundations and structure Aníbal Costa / Gepectrofa

Inst. e equip. electro-mecânicosEngeneering Niluft

Inst. e equip. elétricos e telecomunicaçõesEngeneering GPIC

Inst. e equip. de águas e saneamentoWater supply and sewer system Gepectrofa

PaisagismoLandscaping NPK

FotografiaPhotos  arquivo do autor

 

CENTRO NACIONAL DE ARQUEOLOGIA NÁUTICA E SUBAQUÁTICA (CNANS) | REMODELAÇÃO DE ARMAZÉNS PARA INSTALAÇÃO DO CNANS EM LISBOA | REMODELING WAREHOUSES FOR INSTALLING NATIONAL CENTER FOR NAUTICAL AND UN

Coordenação geral do projectoGeneral project management  João Carlos dos Santos, arq. (DGPC)

Projecto de arquitecturaArchitecture João Carlos dos Santos, arq. (DGPC)

ColaboraçãoCollaborator Jorge Carvalheira, arq.

Projeto de estabilidadeStability project Bruno Afonso, eng. (DGPC)

Projeto de eletricidade e instalações de telecomunicações e segurançaElectricity, telecommunications and security installation project Nuno Miguel Mendes Tomás, eng. (DGPC)

Projeto de avacAir conditioning and ventilation project António João do Amaral Domingos Rocha, eng. (DGPC)

Projeto de instalações de águas e esgotosSewer and water supply António João do Amaral Domingos Rocha, eng. (DGPC)

Projeto de segurança contra incêndiosFire safety project José Gonçalves, eng. ((DGPC)

Medições e orçamento de arquiteturaMesurement and architectura buget Júlio Antunes, eng. (DGPC)

Ano de projetoProject date 2017

ObraWork 2018

Dono de obraClient Direção Geral do Património Cultural (DGPC)

FiscalizaçãoSupervision Elizabeth Carvalheira, eng. (DGPC)

Empreiteiro geralGeneralcontractor Lusecon Lda.

Imagem 3d3d images José Pedro Costa

Tratamento gráfico dos desenhos de projetoGraphic design Gonçalo de Albuquerque Guimarães, arq.

FotografiaPhotos José Ruas (DGPC)

PALÁCIO NACIONAL DA AJUDA, ALA POENTE - EXPOSIÇÃO TESOURO REAL AJUDA, NATIONAL PALACE, WEST WING – ROYAL TREASURE EXHIBITION

(…) O projeto de restauro e valorização do Palácio Nacional da Ajuda inclui o remate da ala Poente e a instalação, nesta ala, da exposição permanente do Tesouro Real. Com este projeto não se pretende edificar a volumetria correspondente à versão reduzida do Palácio do projeto do Arq. António Francisco Rosa (1821), com uma arquitetura de conceção simétrica, onde os torreões assumem um papel determinante na composição dos alçados e que obrigaria necessariamente a alterar o perfil e desenho da Calçada da Ajuda, mas assumir uma implantação que vai respeitar os limites atuais da massa edificada do palácio, e a sua relação com a envolvente próxima, coexistindo com o traçado da Calçada da Ajuda e com o Jardim das Damas.

Propõem-se operações de completamento cirúrgico das partes inacabadas por analogia com a construção existente, e justificadas por razões de unidade de leitura, e a adição de um novo volume de remate a poente com uma linguagem não mimética, conforme o preconizado nas cartas e convenções internacionais sobre património. Nos vãos existentes no pátio, a ausência de caixilharias tradicionais permite enfatizar o caráter inacabado da construção e perdurar no tempo as memórias e a história do palácio.

Serão restauradas todas as preexistências com valor patrimonial. O acesso à exposição do Tesouro Real faz-se através da arcada existente que funcionará como rótula de início e final da visita, através das duas portas (norte e sul) existentes neste espaço.

A nova fachada Poente, com desenho e expressão contemporânea, procura restituir a unidade de leitura do conjunto. É utilizada uma composição formal, com referências aos alçados pré existentes, onde se enfatizam as linhas verticais e horizontais, acentuando a marcação da leitura dos estágios das fachadas existentes, que se materializam em diferentes planos das lâminas verticais. São ainda utilizados dois corpos laterais mais elevados, com perfil e altura idêntica à dos torreões norte e sul da fachada Este, essenciais para o equilíbrio do conjunto. (…)

 

The project of restoration and valorization of Ajuda National Palace includes the auction of the West Wing and the installation in this wing of the permanent exhibition of the Royal Treasury. This project does not intend to build the volumetry corresponding to the reduced version of the Palace of the project by António Francisco Rosa (1821), with an architecture of symmetrical design, where the turrets play a decisive role in the composition of the elevations and that would necessarily to change the profile and design of the Calçada da Ajuda, but to assume an implantation that will respect the current limits of the built mass of the palace, and its relation with the surrounding surroundings, coexisting with the layout of the Calçada da Ajuda and the Jardim das Damas.

Surgical completion of the unfinished parts is proposed by analogy with the existing construction and justified for reasons of unity of reading and the addition of a new volume of finishing to the west with a non-mimetic language, as recommended in the letters and conventions heritage. In the existing spans of the courtyard, the absence of traditional window frames makes it possible to emphasize the unfinished character of the building and to preserve in time the memories and history of the palace.

All pre-existences with patrimonial value will be restored. Access to the exhibition of the Royal Treasure takes place through the existing archway that will function as a patella at the beginning and end of the visit, through the two doors (north and south) in this space.

The new west façade, with contemporary design and expression, seeks to restore the unit’s reading comprehension. A formal composition is used, with references to pre-existing elevations, where the vertical and horizontal lines are emphasized, emphasizing the marking of the reading of the stages of the existing façades, which materialize in different planes of the vertical blades. Two higher lateral bodies are also used, with a profile and height similar to that of the north and south towers of the east façade, essential for the balance of the whole. (...)

MUSEU MUNICIPAL ABADE PEDROSA (MMAP) e MUSEU INTERNACIONAL DE ESCULTURA CONTEMPoRÂNEA (MIEC)CITY MUSEUM ABADE PEDROSA (MMAP)and CONTEMPORARY INTERNATIONAL SCULPTURE MUSEUM (MIEC)

ArquiteturaArchitecture arq. Álvaro Siza Vieira, arq. Eduardo Souto de Moura

CoordenadoresCoordinators arq. José Carlos Nunes de Oliveira, arq. Pedro Guedes Oliveira

Datas do projetoProject dates de janeiro 2010 a março 2012From january 2010 to march 2012

Datas de construçãoConstruction dates de agosto 2014 a novembro 2015from august 2014 to november 2015

Custo total de obraTotal cost MMAP + MIEC – 4.600.000,0€

ColaboradoresDesign team arq. Blanca Macarron, arq. Diogo Guimarães arq. Ana Patrícia Sobral, arq. Eva Sanllehí, arq. Rita Amaral

EstruturasStrutural engineering eng.º Jorge Nunes da Silva (gop), eng.ª Filipa Abreu (GOP)

Eletricidade e segurançaElectrical and safety engineering eng.º Alexandre Martins (GPIC)

Instalações térmica e mecânicasThermal and mechanical engineering eng.º Raul Bessa (GET)

Águas e saneamentoHidraulic engineering eng.ª Raquel Fernandes (GOP)

Fiscalização de obraSupervision eng.º Aniceto Carmo (effiwater) eng.º Gustavo Esteves (Aveiplano),  eng.ª Ana Margarida Cabral (Aveiplano), eng.º Saúl Lopes (Aveiplano), eng.ª Maria Fernanda Coelho (CMST), eng.ª Adelaide Leite (CMST), eng.ª Amélia Valença (CMST), eng.º Daniel Correia (CMST),

ConstrutorContractor Cari Construtores SA (MIEC), Alberto Couto Alves, Construções Gabriel A.S. Couto, ACE (MMAP)

Direção técnica de obraProject management eng.º Rui Alves (MIEC) eng.º Sérgio Diogo (MIEC) eng. Eduardo Leite (MIEC), engº Ângelo Soares (MMAP), engª Maria Antónia Casinhas (MMAP)

ClienteClient Câmara Municipal de Santo Tirso

Direção programáticaProgram management arq.Conceição Melo (CMST)

Direção museológicaMuseum director dr. Álvaro Moreira (CMST)

Design gráficoGraphic design Studio Waba FotografiaPhotos Luís Ferreira Alves

ATELIER VENTURA TRINDADE, lisboa | VENTURA TRINDADE STUDIO, lisbon

arquitecturaarchitecture Ventura Trindade, Arquitectos/João Maria Trindade

com Filipe Nunes, João Veiga, Marcelo Moreira e Silva, Vasco Nobre Lopes, Pedro Maria RIbeiro, Ana Pedro Ferreira, Cláudio Velez, Paulo Monteiro (1ªfase) e Francisco Pestana da Silva, Gabriele Catanzano, Silvia Toninello (2ªfase).

engenhariaengineering

PRPC, ENGENHEIROS (estruturas, hidráulica e coordenação de infraestruturas)

Paulo Cardoso, com Carlos Certal

OMHSÔR (inst. eléctricas, iluminação e segurança) OMHSÔR (electrical installations, communications, lighting and security)

João Mira

espaço energia (climatização, redes de fluídos)energie space (acoustics, air conditioning, fluid networks) Rui Batista, Augusto Macedo

construçãoconstruction Carvalho & Gomes Figueiredo (1ªfase) e RTRES, Construções (2ªfase)

fotografiaphotography Ricardo Oliveira Alves e Arquivo Ventura Trindade

MUSEU MUNICIPAL DE ARQUEOLOGIA DE MOURA, PORTUGAL | MUNICIPAL MUSEUM OF ARCHEOLOGY, MOURA, PORTUGAL

arquiteturaarchitecture ventura trindade, arquitectos/ joão maria trindade, com nuno marcos, filipe nunes, filipe carvalho, lourenço van innis, pedro silva, marcelo moreira e silva, filipe araújo, ana filipa custódio

engenhariaengineering prpc, engenheiros (estruturas, hidráulica e coordenação de infraestruturas) paulo cardoso com hugo veríssimo, carlos certal

omhsôr (inst. eléctricas, iluminação e segurança) omhsôr (electrical installations, communications, lighting and security) joão mira

espaço energia (climatização, redes de fluídos)energie space (acoustics, air conditioning, fluid networks)

rui batista, augusto macedo

medições, orçamentos e fiscalizaçãoeconomy of construction lamda, estudos e projectos, lda. henriques ferrão

construçãoconstruction zucotec, construções, lda. luis amaro

fotografiaphotography arquivo ventura trindade arquitectos

clienteclient câmara municipal de moura, portugal

ANFITEATRO DO CASTELO DE SÃO JORGE | São jorge’ s CASTLE AMPHITHEATRE

Anfiteatro do Castelo de São JorgeSaint JorgeCastle Amphitheater

DataDate 2012 - Em cursoOngoing

Projeto geral/arquiteturaGenaral project/architecture João Luís Carrilho da Graça

EquipaTeam

Coordenação do atelierOffice coordination: Francisco Freire, arquitetoarchitect

Luís Cordeiro, Carolina Queimado, Raquel Vicente, Beatrice Muzi, Arquitectos; Nuno Pinto, desenhador, PauloBarreto, maquetes.

Arquitetura paisagistaLandscaping: JLCG Arquitectos Lda, Victor Beiramar Diniz, Arquiteto paisagista

Fundações e EstruturaFoundations and Structure Betar Estudos e Projectos de Engenharia Lda, José Pedro Venâncio, Nuno Pedrinho, Engenheiros

Instalações e redes hidráulicas Hydraulic systems and networks Betar Estudos e Projectos de Engenharia Lda, Pedro Durão, Engenheiro

Arquitectura de cena, segurança Scene architecture, Security Etu - Espaço Tempo Utopia, Paulo Prata Ramos, Cidália Worm, Arquitectos

Consultoria sobre estruturas de madeiraConsulting on wood structures Jorge Manuel Branco, Engenheiro

arquiteto João Maria Ventura Trindade

CAMPO DAS CEBOLAS / PORTAS DO MAR DOCA DA MARINHA, LISBOA, PORTUGAL CONCURSO PÚBLICO INTERNACIONAL 1.º PRÉMIO | campo das cebolas IN PORTAS DO MAR / navy dock, LISBON, PORTUGAL INTERNATIONAL PUBLIC COMPETITION, 1st PRIZE

projeto geralgeneral project joão luís carrilho da graça, arquiteto, comwith victor beiramar diniz, arquiteto paisagistalandscaping architec

projeto geral/arquiteturagenaral project/architecture joão luís carrilho da graça

equipateam

coordenação do atelieroffice coordination francisco freire, arquitetoarchitect

concursocompetition nuno pinho, mariana sanchez salvador, charbel saad, arquitetos; paulo barreto, maquetesmodels

projetoproject filipe homem, diana ledo, ana teresa hagatong, beatrice muzi, pauline chauvet, joão cruz, filipe louraço, fábio azevedo, luís cordeiro, arquitectos; carlo vincelli, fabio bonaventura, margarida lima belo, arquitetos estagiários; joão aragão, estagiário; nuno pinto, d desenhadorrchitectural designer; paulo barreto, maquetes

arquitetura paisagistalandscaping jlcg arquitectos lda, victor beiramar diniz, arquiteto paisagistalandscaping architec

design gráficographic design p06-atelier ambientes e comunicação, nuno gusmão, artista gráfico graphic artist

arqueologiaarcheology artur rocha, arqueólogo

fundações e estruturafoundations and structure a2p estudos e projetos, vasco appleton, joão appleton, pedro lima, joão saraiva, engenheiros

instalações e redes hidráulicassystems and hydraulic networks campo d’água engenharia e gestão lda, manuel josé grade ribeiro, marta azevedo, ricardo serrano, engenheiros

iluminação públicapubliclighting: silvino maio & lacerda moreira engenheiros associados lda, antónio lacerda moreira, engenheiro

instalações eléctricas, telecomunicações e segurança integradaelectrical installations, telecommunications and integrated security naturalworks projectos de engenharia lda, tiago costa oliveira, engenheiro

ar condicionado, ventilação e desenfumagemair conditioning, ventilation and smoke naturalworks projectos de engenharia lda, guilherme carrilho da graça, pedro maria paredes, engenheiros

optimização energética e comportamentotérmicoenergy and thermal optimization naturalworks projectos de engenharia lda, guilherme carrilho da graça, maria malato lerer, engenheiros

condicionamento acústicoacoustic conditioning naturalworks projectos de engenharia lda, guilherme carrilho da graça, pedro maria paredes, engenheiros

gestão técnica centralizadacentralized technical management naturalworks projectos de engenharia lda, pedro maria paredes, engenheiro

segurança contra incêndiosfire safety etu - espaço tempo utopia, paulo prata ramos, cidália worm, arquitectos

clienteclient câmara municipal de lisboa / emel