arqa—Arquitectura e Arte Contemporâneas — Portuguese Contemporary Architecture and Art Magazine

Entrevista

por: Luís Santiago Baptista e Paula Melâneo

Miguel Amado

Arquitecto, Docente FCT-UNL, Director GEOTPU (Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Planeamento Urbano), Autor "Planeamento Urbano Sustentável", "Operative Process to Sustainable Urban Planning"
e "Process to Green Build Design"

 

arqa: Tendo em conta a sua investigação na área das ciências do ambiente, planeamento ambiental e ordenamento do território, desenvolvimento e construção sustentável, em que sentido lhe interessa no seu trabalho a ideia de sustentabilidade? Como definiria sustentabilidade?

Miguel Amado: Sendo vital a preservação das condições de vida no planeta, impõe-se que todas as nossas acções se dirijam à eficiente gestão dos recursos naturais, em especial os não renováveis, garantindo a Sustentabilidade do processo de desenvolvimento da sociedade. A

assumpção do princípio de utilizar e garantir a disponibilidade para a fruição futura dos recursos pelas gerações vindouras é o principal valor da sustentabilidade, sendo de aplicação a toda a sociedade. Deste modo, o conceito de sustentabilidade é pois algo que tem de ser visto como transversal às diferentes áreas onde se desenvolvem as actividades humanas. Por outro lado, tenho constatado que a temática da sustentabilidade vem contribuindo para um aumento da participação da população nos diferentes processos e, em simultâneo, à compreensão da responsabilidade de cada indivíduo pelas consequências de efeitos globais resultantes da sua acção individual. A integração da sustentabilidade, no trabalho que venho realizando na UNL, apoia-se no princípio que mencionei e tem expressão na reflexão sobre as estratégias para a articulação das problemáticas do ambiente, economia e social nas intervenções no campo do planeamento urbano e da construção sustentável. Neste sentido, e com base na investigação realizada e em curso, tem sido validado o processo operativo desenvolvido para aumento do nível de eficiência das acções sobre o território e do elevado conforto ambiental no interior dos edifícios. O trabalho contribui para um melhor ambiente urbano construído, proporcionando melhor qualidade de vida à população num meio ambiente em equilíbrio. Este entendimento é resultado da aplicação dos processos operativos desenvolvidos para as acções de planeamento urbano e de construção sustentável de edifícios. Nesses dois processos operativos e para reforço dos mesmos, foi agregada a ficha de sustentabilidade do projecto, na qual se coligem ao longo de todo o tempo de execução dos projectos as estratégias, as decisões, bem como se determinam as orientações a inserir no manual de utilização e manutenção do edifício. A ficha é aplicável tanto ao projecto de planeamento urbano como ao projecto do edifício. A existência de um processo operativo integrador adaptável a diferentes escalas de intervenção, tornando o arquitecto e a população parte activa do mesmo é, só em si, um contributo para garantir que as soluções encontradas se enquadram no caminho da sustentabilidade. Outro campo de investigação recente, e inserido na mesma temática, é a pesquisa sobre qual ou quais os factores determinantes que podem induzir a que os programas base dos projectos de novos espaços urbanos resultem em acções reconhecidas como sustentáveis. Pois sendo em fase de projecto que se determinam mais de 80% do consumo de recursos é importante que o programa base possa desde logo conduzir o desenvolvimento do projecto para a sua adequação à temática da Sustentabilidade. Dos resultados entretanto já obtidos, é de realçar o maior interesse de participação da população nos processos de tomada de decisão das propostas de planeamento urbano. Nos casos dos resultados relativos à construção de edifícios concluiu-se por um maior interesse por parte dos futuros utilizadores dos edifícios, de informação sobre os produtos aplicados, os níveis de eficiência expectáveis para os edifícios e a vontade de adoptar os procedimentos de utilização e manutenção definidos pelos projectos, face aos ganhos económicos expectáveis.

 (…)

Mar 2010

Outros artigos em Entrevista

Imagem - CONHECER JOÃO ÁLVARO ROCHA, À CONVERSA COM CONCEIÇÃO MELO

CONHECER JOÃO ÁLVARO ROCHA, À CONVERSA COM CONCEIÇÃO MELO

arqa JAR (João Álvaro Rocha) frequentou a ESBAP. Ele e a Conceição foram colegas aí. Em que anos? O que recorda de mais importante desses anos? CONCEIÇÃO MELO Vivemos os… 

Dez 2019

Imagem - 3 REFLEXÕES NO FEMININO

3 REFLEXÕES NO FEMININO

Os estereótipos de género estão presentes em muitos aspetos da arquitetura. Isto ultrapassa questões de ordem sociocultural. Às mesmas questões as três arquitetas são unânimes em afirmar que a prática… 

Jun 2019

Arquivo de Entrevista