arqa—Arquitectura e Arte Contemporâneas — Portuguese Contemporary Architecture and Art Magazine

Projectos

Incubadora de Empresas, Vila Verde, Braga

Contemporānea


Arquitectura:
Manuel Graça Dias + Egas José Vieira
Equipa
: Duarte Correia (coordenação), Marta Quinaz, Sara Baptista
Maquetas
: José António Aires Pereira
Projectos Especiais
: AFA Consult
Arranjos Exteriores
: MGD+EJV
Construção
: ACF, SA
Fiscalização
: Engª Lurdes Marques
Data
: 2005-2007
Fotografias
: FG + SG - Fotografia de Arquitectura / ultimasreportagens.com

O edifício localiza-se ao lado da movimentada e ruidosa Estrada de Braga (EN 101). Os limites norte e nascente confrontam com uma vista desafogada, tendo o maciço do Gerês por pano de fundo; a sul, moradias unifamiliares, a imagem principal da EN 101.
O conjunto, com 2000 m², desdobra-se em dois pisos que se desenvolvem em duas alas, cumprindo uma espécie de "L", seguindo duas direcções fortes do terreno e tendo como rótula o átrio de entrada. Uma das alas alinha-se pela casas já existentes em ordem a prolongar, nessa frente construída, alguma coerência.
Ao átrio, de pé direito duplo, fizemos confluir as zonas mais colectivas do todo (secretaria, administração, espera, bar, sala polivalente) reservando as salas de "incubação" para um e outro lado dos corredores que seccionam as duas partes do edifício. Ainda que algumas salas se voltem à estrada ou aos terrenos vizinhos a sudoeste, a maior parte vira-se à paisagem forte, calma e protegida que os dois braços constroem.
Os vãos são, então, diferentemente tratados: naqueles a poente, persianas verticais metálicas orientáveis, a nascente e a SW, generosas palas inclinadas, fixas, também metálicas.
Todo o volume é revestido a azulejos, nas cores branco e azul forte, em xadrez e contrafiados, o que lhe cria uma imagem forte e misteriosa que um grande letreiro, depois, descodifica.
Um todo, então, dobrado sobre o prado e olhando o Gerês, marcando com discreta personalidade uma curva de estrada e, distribuindo, dentro, espaços simples e eficazes que a métrica construtiva tematiza e a luz intencional tornará alegres.

Mar 2009