arqa—Arquitectura e Arte Contemporâneas — Portuguese Contemporary Architecture and Art Magazine

Itinerâncias

por: Luís Santiago Baptista

A internacionalização da teoria portuguesa

Melancholy and Architecture de Diogo Seixas Lopes e A Periferia Perfeita de Jorge Figueira

A internacionalização da arquitetura portuguesa é um facto indesmentível. Mesmo que aquém em termos de obras efetivamente construídas lá fora, os arquitetos portugueses gozam de uma reputação invejável no panorama internacional. Dois Pritzkers nas últimas décadas é só por si suficiente para o confirmar. E é indesmentível a projeção que as obras dos arquitetos portugueses, de diferentes gerações, têm vindo a adquirir no estrangeiro em diversas publicações, conferências e exposições. A inscrição internacional da arquitetura portuguesa é hoje uma realidade. No entanto, essa internacionalização não se tem refletido nas áreas da teoria e história. É verdade que existe em Portugal uma resistência e desconfiança estruturais em relação à teoria de arquitetura. Por um lado, a arquitetura portuguesa assume-se, normalmente com orgulho, como lacónica, intuitiva e pragmática. Por outro lado, a cultura arquitetónica portuguesa está essencialmente orientada para o projeto, adotando uma dimensão instrumental na atividade do arquiteto. Estas razões disciplinares em parte justificam essa ausência portuguesa da teoria de arquitetura portuguesa no meio internacional. Apesar do número crescente de arquitetos portugueses a leccionar e investigar em universidades internacionais, a teoria de arquitetura nacional não tem um verdadeiro impacto internacional. Isto pode confirmar-se na ausência quase total de livros de teoria e história da arquitetura que coloquem verdadeiramente os arquitetos portugueses como players no debate teórico internacional. Na verdade, a crítica, a teoria e a história realizada por arquitetos portugueses ainda se publica quase exclusivamente em Português. Há naturalmente exceções, mas mesmo estas estão normalmente relacionadas com publicações internacionais do trabalho dos principais arquitetos portugueses. A condição da internacionalização da teoria portuguesa parece ainda ser a proximidade e exclusividade no domínio da arquitetura portuguesa. É por estas razões que a publicação de Melancholy and Architecture: On Aldo Rossi de Diogo Seixas Lopes, pela Park Books, adquire um significado fundamental. Seixas Lopes não só publica exclusivamente em inglês numa reputada editora internacional de grande circulação, como investiga um arquiteto crucial da história de arquitetura contemporânea internacional. Não se pode dizer que a obra de Aldo Rossi seja pouco investigada, pelo contrário, tem sido alvo de grande interesse por parte de diversos arquitetos e teóricos de reconhecido mérito. Trabalhar a arquitetura de Aldo Rossi é, logo à partida, um ato destemido, dada a quantidade de investigação que tem espoletado. Neste sentido, abordar a arquitetura de Rossi hoje não deixa de ser participar numa arena teórica muito e bem frequentada. A receção crítica internacional de Melancholy and Architecture tem mostrado que esta foi uma aposta claramente ganha.

 (…)

Out 2015

Outros artigos em Itinerâncias

Imagem - Entrevista a Marta Sequeira e Susana Rato

Entrevista a Marta Sequeira e Susana Rato

> A exposição Carrilho da Graça: Lisboa, patente na Garagem Sul do Centro Cultural de Belém, não se assume como uma antológica, mas como a mostra de uma abordagem… 

Dez 2015

Imagem - Duas publicações sobre lugares e migrações

Duas publicações sobre lugares e migrações

A história da arquitetura faz-se do cruzamento de contextos polarizadores com migrações de ideias e autores. A fixidez dos lugares confronta-se com a circulação de teorias e arquitetos. A… 

Jul 2015

Arquivo de Itinerâncias